» sonhos

Deixe o sol entrar

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 12 Comments

Levante, já passa das 9h, pare de brigar com o despertador. Abra a janela, balance o tapete e deixe a poeira ir embora. Permita que o sol entre e te ilumine. Deixe que o vento desarrume seu cabelo. Olhe para o espelho e se veja por dentro. Você já esteve melhor, não esteve?

Esqueça – nem que seja só por hoje –  tudo aquilo que te machuca,  que te corrói por dentro, que te faz retroceder, que não te evolui, que não te faz bem. Guarde essas bobagens pra outra hora, numa gaveta com cadeado. Ou melhor, se você for capaz, apague-as de vez.  Desate os nós, cate os cacos de vidro, e levante a cabeça.

Há milhões de pessoas lá fora. Há milhares de possibilidades, de caminhos, de histórias. E você ai, olhando pra trás. Viva a sua vida, não desperdice seu precioso tempo vivendo a vida do outro.  Seja o protagonista da sua própria vida. Não se conforme, tome decisões.

E por que não mudar? A vida não tem script e você não tem um personagem definido. Quem você quer ser hoje?  Mostre suas facetas para o mundo, deixe as ruas sentirem os seus passos, deixe o mundo te descobrir.

Aperte forte aqueles te querem bem.  Podem ser poucos, mas eles existem. Compre um presente para você. Essa sim, você sempre terá. Se atire ao desconhecido e , adivinhe, conheça-te a ti mesmo. Descubra o que te surpreende, o que te enaltece, o que te move.

Olhe para os seus sonhos. Não como quem olha para o além ou avista uma miragem, mas como quem diz “te vejo em breve”.  E vá atrás deles, um degrau por dia, mas vá. Perdoe para ser perdoado. Ame sem esperar ser amado. Faça o bem sem esperar ser reconhecido. E a vida te trará respostas, naturalmente.

Por Renata Stuart

Linha de chegada

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments

Nos acompanham planos, projetos, sonhos. E aquela vontade de enxergar de vez o que é que nos espera do outro lado, no fim da largada. Querer é fácil, idealizar mais fácil ainda. Difícil é partir pro ataque, encarar de frente as dificuldades que surgirão no percurso.

E prometemos: Amanhã tudo será diferente. Vou inovar, vou me mover, vou mudar.  Mas daí vem o amanhã e, junto com ele, milhões de empecilhos. Vinte e quatro horas apressadas demais. Mal tive tempo de pensar, deixa para amanhã, sem falta.

E aquele medo aliado a preguiça de sair da zona de conforto hesita em nos deixar. A rotina é mais cômoda, todo mundo aprova, compreende. Ninguém contraria o óbvio. Difícil é levantar decidido com uma ideia na cabeça e não dormir com ela inacabada. Fácil é deixá-la ali, subentendida, sobrevoando, para outra oportunidade, quem sabe.

Depositamos toda nossa fé no dia seguinte, no mês seguinte, no ano que vem. Todo dia uma esperança, uma promessa e um dia a menos para agir, um dia a menos para arriscar. Talvez essa covardia se deva a um único fato: Temos medo de avistar a linha de chegada sem ter cumprido todos os nossos planos. Até para perder tem que ser corajoso.

Por Renata Stuart

Viver é corresponder …

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments

Desde que abrimos os olhos para esse mundo, somos convidados a corresponder expectativas. O mundo espera de nós, o tempo todo. As cobranças, por mais banais que sejam, são intermináveis.  

Com 1 ano de idade, pisar firme no chão e andar. Com 2 anos, abrir a matraca, repetir, repetir,  e, finalmente, aprender a falar. Aos  5, ser uma criança obediente e, assim,ganhar presentes. Aos 10, ter boas notas e, assim, passar o fim de semana na casa da prima. Aos 13, ser menos rebelde, fazer exercícios e trabalhos escolares para, assim, ir à festa na casa da Ana. Aos 14, dar o primeiro beijo para, assim, atestar o fim da infância e ser considerada uma adolescente de verdade. Aos 17, todos esperam que já saibamos o que queremos ser e fazer pro resto da vida. Aos 18, passar no vestibular e entrar para a faculdade. E daí em diante as coisas só pioram.

Aos 20, vêm as entrevistas de emprego. Esperam que falemos inglês, francês e mandarim. E ainda temos que ser bons de redação, planejamento, softwares gráficos e trabalho em equipe. Aos 24, esperam que tenhamos um emprego fixo, um salário digno e, quem sabe, um carro. Aos 30, esperam que o sucesso tenha batido a nossa porta como uma vizinha que pede açúcar. Além de já ter encontrado o amor da sua vida, você já deve ter um salário, não só digno, mas alto e que compense todos os anos de investimento na sua educação. Ter, pelo menos, um apartamento financiado, um carro do ano na garagem e fazer, no mínimo, 2 viagens por ano. Aos 40, você deve ter estabilidade. Se você é mulher, mesmo estando no século XXI, as cobranças são infinitamente maiores. Ser boa mãe, boa esposa, boa patroa, boa funcionária, boa cozinheira, boa sogra, boa nora.

Aos 70, espera-se que, apesar das cobranças de toda essa jornada, você ainda tenha sede de viver. E, o mais importante, espera-se que você possa olhar para trás e se orgulhar de seus feitos.

Que se danem as cobranças, o senso comum, a sociedade. Preocupar-se apenas com o que o mundo espera de nós pode acarretar, no final, uma conta bem mais cara a pagar: A dor de não poder voltar no tempo e corresponder aos próprios anseios.

Palavra do dia – Ana Luíza Leite

Posted on by Renata Stuart in Entre Aspas | Leave a comment

Hoje a palavra do dia é de uma pessoa muito especial para mim. A minha afilhada querida, Ana Luíza. Ela me mandou esse texto e eu não podia deixar de compartilhá-lo com vocês. Fiz apenas alguns ajustes pequenos, acrescentei pouquinha coisa, mas o corpo do texto é todo dela. Ela transmitiu lindamente o medo do AMANHÃ não chegar e a urgência em viver o HOJE. Parabéns, Aninha. Amei.

“E se não houver o amanhã?”


Sabe, eu que costumava deixar tudo para amanhã, resolvi que, hoje, diria o quanto você é importante para mim, porque quando acordei pela manhã uma pergunta ressoava na acústica de minha cabeça: “E se não houver amanhã?”. E os planos pra minha vida? E as pessoas que amo? Como seria? Para onde iriam todas as palavras que eu não disse e todas as coisas que não fiz? Ás vezes, deixamos muitas coisas pra depois, pra amanhã…mais tarde. Pensamos que as coisas podem nos esperar, mas, às vezes, elas se esvaem sem sequer deixar um bilhete de despedida. Tudo tem seu tempo, sim, não podemos tentar prever o amanhã. Mas, em cada brecha que o tempo lhe der, aproveite cada segundo. Diga que ama, viva, sorria, brinque, divirta-se com quem você ama.Então, deite-se mais um pouco com quem está ao seu lado, escute suas idéias, dê mais atenção a suas lamúrias, observe seus gestos mais singelos, decore o tom da sua voz, seu jeito de andar, de comer, de abraçar e te olhar. Hoje, observe seu olhar, descubra seus desejos, seus anseios, seus sonhos mais secretos e se esforce para realizá-los.. Se não puder, ao menos saberá que tentou. Dê mais importância a quem está em sua volta. Dê mais valor às pessoas. Não minta para elas. A verdade às vezes dói, mas nenhuma ferida é mais funda do que a da mentira. Confie mais. Até que a vida lhe prove o contrário. Sorria quando sentir que deve sorrir. Evolua. Ultrapasse seus limites, diariamente, como se o amanhã não fosse chegar. Hoje, seja quem você é. Aproveite, vida você só  tem uma. Então: Pense. “E se não houver amanhã?”. Viva hoje. A vida se faz boa, intensa e verdadeira quando você não a planeja.

Futuro: um sonho necessário

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 8 Comments

Fazer planos, sonhar com o amanhã…
Como eu estarei daqui há 10 anos? O que eu terei conquistado? Onde estarei ? Quem estará ao meu lado ? Ainda estarei gostando das mesmas coisas que gosto hoje? Estarei feliz? Terei filhos? Terei vivido um grande amor?
Eu acho que pensar no futuro é perturbador. Ele é um tempo sobre o qual não temos controle (embora algumas pessoas soberbas acreditam ter).
Acho que penso isso pela insegurança da vida, pela incerteza se estarei respirando quando o sol amanhecer. Acho que o futuro gosta de fazer pegadinhas com a gente, pois estamos sempre atrás dele. No novo ano que se inicia, na esperança dos dias melhores, na esperança que o tempo cure alguma dor, ou quando levantamos cedo para ir trabalhar e nos garantir um futuro digno. Pensando no futuro, abrimos mão do presente o tempo todo, sem perceber.
Mas, ultimamente eu tenho tentado enxergar as coisas de outra forma. Mais otimista, digamos. Se o amanhã não existisse em nossa mente, o hoje seria apenas uma tentativa desesperadora de se realizar tudo agora e já.
Descobri que o futuro é o combustível que coloca o presente em movimento…É acreditando no futuro, que a gente ganha energia para viver todos os dias. Do contrário, construir uma história de vida não faria sentido. A história só existe se o futuro existir.
O que seria da vida se não pudéssemos sonhar? Nossas ambições não teriam valor algum. O que seria de nós, quando a angústia toma conta, se não acreditássemos que dias melhores virão? Em função de que viveríamos? Trocaríamos os grandes desejos da vida por desejos de momento. Mas os momentos passam… e a vida continua!
Enfim, acho que sonhar com futuro é necessário. Só não podemos colocá-lo em detrimento do presente. Temos que sonhar com o cabelo branco de amanhã, sem deixar de usufruir da juventude que temos hoje. Temos que sonhar com a maioridade sem abrir mão da infância. Viver pressupõe sonhar. A vida pede sonhos. Tudo ao seu tempo. Com calma, fé e intensidade.