Palavra do dia – Luís Fernando Veríssimo

Posted on by Renata Stuart in Entre Aspas | Leave a comment


O Quase

Ainda pior que a convicção do não, e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu ainda está vivo, quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distancia e frieza dos sorrisos na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom Dia” quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.

A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si. Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à duvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

(Autoria atribuída a Luís Fernando Veríssimo, mas que ele mesmo diz ser de Sarah Westphal Batista da Silva, em sua coluna do dia 31 de março de 2005 do jornal O Globo) 

Amores são coisas da vida

Posted on by Renata Stuart in Textos de amor | 2 Comments


        

As pessoas podem ter as diferenças mais escandalosas, ser completamente opostas no modo de pensar, nos valores, nos ideais, mas, em um ponto, todos somos consensuais:  Amar é fundamental. O amor traz cores a nossos dias cinzentos, traz energia aos dias que se arrastam, traz fantasia para aliviar o choque de realidade.

Ah, o amor. Ele é essencial em todas as suas formas.  Amar a vida, amar o trabalho. Amar a família, amar os amigos, amar a natureza, amar os animais, amar as coisas simples da vida, amar o próximo, amar a si mesmo. Cada um ama de um jeito, – eu amo de forma exagerada, intensa -, outros simplesmente amam, de forma singela, mais branda. Uns amam silenciosamente, discretamente, outros amam aos gritos. Uma coisa é fato: O amor nunca é racional. Mesmo sabendo que esse, inevitavelmente, vai nos derrubar algumas lágrimas, sempre queremos sentí-lo. Queremos, desesperadamente, amar e ser amados.

Amores não correspondidos – os mais tristes – mas existem aos montes. Amores perdidos, que machucam, corroem por dentro e continuam intactos. Amores passageiros, amores de verão, que se vão com o vento, mas deixam lindas lembranças. Amores mal resolvidos, interrompidos… Que nos fazem tentar prever um futuro que poderia ter sido. Amores antigos que resistem ao tempo. Amores puros que nascem de uma amizade. Amores que são construído com a convivência. Amores indiscretos. Amores insensatos. Amores proibidos.

Amar é se sentir seguro, protegido. É ser o mundo de alguém e ser o mundo para alguém. Ah, como o amor é lindo! Mas como ele seria ainda mais lindo – e menos doloroso – se não colocássemos sobre ele toda a responsabilidade por nossa felicidade. Uma parcela considerável de nossa felicidade depende do amor? A minha resposta é sim. Mas, não se iluda, a única metade da laranja que pode te completar é você mesma, com sua própria maneira de encarar e viver a vida. Fazer dos seus dias mais felizes é uma tarefa sua e, neste caso, o amor é apenas a cereja do bolo. Aliás, uma cereja indispensável.

Viver é corresponder …

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments


Desde que abrimos os olhos para esse mundo, somos convidados a corresponder expectativas. O mundo espera de nós, o tempo todo. As cobranças, por mais banais que sejam, são intermináveis.  

Com 1 ano de idade, pisar firme no chão e andar. Com 2 anos, abrir a matraca, repetir, repetir,  e, finalmente, aprender a falar. Aos  5, ser uma criança obediente e, assim,ganhar presentes. Aos 10, ter boas notas e, assim, passar o fim de semana na casa da prima. Aos 13, ser menos rebelde, fazer exercícios e trabalhos escolares para, assim, ir à festa na casa da Ana. Aos 14, dar o primeiro beijo para, assim, atestar o fim da infância e ser considerada uma adolescente de verdade. Aos 17, todos esperam que já saibamos o que queremos ser e fazer pro resto da vida. Aos 18, passar no vestibular e entrar para a faculdade. E daí em diante as coisas só pioram.

Aos 20, vêm as entrevistas de emprego. Esperam que falemos inglês, francês e mandarim. E ainda temos que ser bons de redação, planejamento, softwares gráficos e trabalho em equipe. Aos 24, esperam que tenhamos um emprego fixo, um salário digno e, quem sabe, um carro. Aos 30, esperam que o sucesso tenha batido a nossa porta como uma vizinha que pede açúcar. Além de já ter encontrado o amor da sua vida, você já deve ter um salário, não só digno, mas alto e que compense todos os anos de investimento na sua educação. Ter, pelo menos, um apartamento financiado, um carro do ano na garagem e fazer, no mínimo, 2 viagens por ano. Aos 40, você deve ter estabilidade. Se você é mulher, mesmo estando no século XXI, as cobranças são infinitamente maiores. Ser boa mãe, boa esposa, boa patroa, boa funcionária, boa cozinheira, boa sogra, boa nora.

Aos 70, espera-se que, apesar das cobranças de toda essa jornada, você ainda tenha sede de viver. E, o mais importante, espera-se que você possa olhar para trás e se orgulhar de seus feitos.

Que se danem as cobranças, o senso comum, a sociedade. Preocupar-se apenas com o que o mundo espera de nós pode acarretar, no final, uma conta bem mais cara a pagar: A dor de não poder voltar no tempo e corresponder aos próprios anseios.

Palavra do dia – Ana Luíza Leite

Posted on by Renata Stuart in Entre Aspas | Leave a comment


Hoje a palavra do dia é de uma pessoa muito especial para mim. A minha afilhada querida, Ana Luíza. Ela me mandou esse texto e eu não podia deixar de compartilhá-lo com vocês. Fiz apenas alguns ajustes pequenos, acrescentei pouquinha coisa, mas o corpo do texto é todo dela. Ela transmitiu lindamente o medo do AMANHÃ não chegar e a urgência em viver o HOJE. Parabéns, Aninha. Amei.

“E se não houver o amanhã?”


Sabe, eu que costumava deixar tudo para amanhã, resolvi que, hoje, diria o quanto você é importante para mim, porque quando acordei pela manhã uma pergunta ressoava na acústica de minha cabeça: “E se não houver amanhã?”. E os planos pra minha vida? E as pessoas que amo? Como seria? Para onde iriam todas as palavras que eu não disse e todas as coisas que não fiz? Ás vezes, deixamos muitas coisas pra depois, pra amanhã…mais tarde. Pensamos que as coisas podem nos esperar, mas, às vezes, elas se esvaem sem sequer deixar um bilhete de despedida. Tudo tem seu tempo, sim, não podemos tentar prever o amanhã. Mas, em cada brecha que o tempo lhe der, aproveite cada segundo. Diga que ama, viva, sorria, brinque, divirta-se com quem você ama.Então, deite-se mais um pouco com quem está ao seu lado, escute suas idéias, dê mais atenção a suas lamúrias, observe seus gestos mais singelos, decore o tom da sua voz, seu jeito de andar, de comer, de abraçar e te olhar. Hoje, observe seu olhar, descubra seus desejos, seus anseios, seus sonhos mais secretos e se esforce para realizá-los.. Se não puder, ao menos saberá que tentou. Dê mais importância a quem está em sua volta. Dê mais valor às pessoas. Não minta para elas. A verdade às vezes dói, mas nenhuma ferida é mais funda do que a da mentira. Confie mais. Até que a vida lhe prove o contrário. Sorria quando sentir que deve sorrir. Evolua. Ultrapasse seus limites, diariamente, como se o amanhã não fosse chegar. Hoje, seja quem você é. Aproveite, vida você só  tem uma. Então: Pense. “E se não houver amanhã?”. Viva hoje. A vida se faz boa, intensa e verdadeira quando você não a planeja.

Baile de Máscaras

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 5 Comments


Tem gente que não espera o carnaval para desfilar de máscaras, desfila o ano inteiro.

Gente que mente. Gente que age contra as próprias convicções. Gente que muda o tratamento com os outros, dependendo de quanto proveito vai tirar de cada um. Uma máscara para cada ocasião. Gente que, a sua frente, lhe sorri, e as suas costas, lhe difama. Gente que se esforça em aparentar ser o que não é. Gente que não lê, mas compra livros. Gente que escuta Fresno e diz que ama Chico Buarque. Gente convencional, de fala moderna. Gente incoerente. Gente que briga com si mesmo, o tempo todo, para agradar o senso comum. Gente que é gentil na frente de um e hostil perto de outro. Gente que se faz de boa pessoa, mas maltrata o garçom, a balconista e a faxineira. Gente que é o melhor amigo de todos, mas não é bom filho, nem bom irmão. Gente que não se permite mudar de opinião, por medo de parecer fraco. Gente que torce contra o próximo, mas o parabeniza quando ele vence. Gente que, apesar de não sabermos, está em todo lugar.

A vida é um verdadeiro baile de máscaras…E, por mais tempo que ele dure, as máscaras sempre caem, antes que a festa acabe. 

Por Renata Stuart

O amor e o desejo

Posted on by Renata Stuart in Textos de amor | 8 Comments



Muitos dizem que a felicidade só é encontrada quando o amor bate a nossa porta. Frio na barriga, coração batendo forte e todos aqueles clichês quando o assunto é amor. Concordo plenamente, se existe felicidade, sem o amor é que não há de ser.

Mas, será mesmo que o amor deixa de ser amor quando essas sensações gostosas se emudecem nos relacionamentos?

Li algo parecido no livro “Por que os homens amam as mulheres poderosas” (sim, eu li, é ótimo, e nada tem a ver com auto-ajuda). A autora diz que as pessoas, os homens em especial, estão sempre em busca de um objetivo mental. Ou seja, as mulheres não devem deixá-los 100% seguros porque, assim, o desejo acaba.

Anos de convivência, você o ama, ele te ama. Mas, então, por que será que ele não sente mais o acelerar do peito quando ouve a sua voz no telefone? Simples, porque você já é, de certa forma, dele. Só desejamos aquilo que não nos pertence.

Vejamos um exemplo. Você está doida para comprar aquela roupa linda que viu na vitrine e, quando compra, fica hiper feliz, quase em lua de mel com o modelito. Mas, algum tempo depois, você já se acostuma com a roupa e, embora  ainda goste dela, sente necessidade de comprar outra e outra, e assim vai. Só para ter aquela sensação gostosa pós-compra. (Tudo bem, o exemplo foi infeliz)

Então. Ele te ama e ainda te acha linda e atraente. Vocês adoram estar juntos. Mas aqueles efeitos colaterais que nos deixam abobados diante de alguém é prioridade de dois corações que ainda estão se conhecendo, sendo conquistados..Que ainda não se pertencem, que ainda não conviveram dias a fio. Calma lá, isso não quer dizer que um de vocês deva sair atrás de “novas roupas” por aí! Não me entendam mal. O que quero dizer é: O amor possui fases  e a fase da conquista é apenas a primeira delas.

Ingênuo é aquele que embarca em uma traição em busca de sentir novamente o coração palpitante. Adivinhe: Mais cedo ou mais tarde, as borboletas no estômago vão desaparecer novamente.  E essa busca será incessante e inútil. Falta de romantismo? Não, apenas realismo. Acredite, romântica como sou, também custei a entender isso.

Já dizia o Cazuza, eu quero a sorte de um amor tranqüilo. Desejos passam, o amor fica. E, este, por sua vez, é paciente, puro, fiel, compreensivo e, acima de tudo, maduro.

Cabo de Guerra

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 4 Comments


Já parou para pensar em como o mundo é repleto de contrastes? Contrastes de ideias, opiniões, personalidades, poder e tantos outros. Mas, para mim, o maior dos contrastes é o de interesses.

Os moradores das cidades destruídas pelas enchentes suplicam para que a chuva cesse. Por outro lado, aquele que vive da plantação, ou até mesmo o vendedor de guarda-chuvas, torcem para que a água continue.

As ruas das grandes cidades já não têm lugar para tantos veículos. As pessoas esperam por leis que pare esse crescimento absurdo. No entanto, os donos de concessionárias querem vender mais e mais carros.

Queremos um mundo sem pobreza. Mas, por mais chocante que seja, algumas correntes de pensamento afirmam que a pobreza é necessária para o equilíbrio do planeta, para o sustento do capitalismo.

As mulheres desejam ser aceitas como são, sem opressão pelos padrões de beleza impostos, mas os cirurgiões plásticos precisam faturar. As pessoas querem a cura definitiva da gripe, mas, ao mesmo tempo, as indústrias farmacêuticas não estão tão preocupadas com isso.

Pessoas querem ser libertas da onda de depressão que assola o mundo, mas os psicólogos e psiquiatras querem trabalho. A mãe ora a Deus para que o filho largue as drogas, e o traficante quer viciá-lo a qualquer custo.

Queremos ser mais econômicos. E a publicidade nos bombardeia 24 horas por dia na tentativa de nos seduzir ao consumo. Não gostamos de ter que usar o cheque especial, já o banco está sempre disposto a nos oferecê-lo.

Sonhamos com governantes íntegros, não corruptos. E os governantes só pensam em acumular patrimônios para suas famílias. Os professores reivindicam aumento salarial e, adivinha, os vereadores também.

Não aguentamos mais assistir a tantas tragédias, mas os jornais sensacionalistas sobrevivem com a venda dessas notícias.

E assim os homens seguem seu percurso. Todos cegos pelas próprias aspirações. É como um jogo de cabo de guerra, onde cada lado defende, unicamente, o seu interesse. E, neste jogo, quem vence é o mais forte.

Claro, alguns jogadores passam por cima de qualquer escrúpulo e, sem o mínimo de culpa, fazem de tudo (tudo mesmo!)para puxar a corda para seu lado. Já outros, preferem vencer a partida de forma mais árdua, mas também mais limpa, digna e justa. Cabe a nós decidirmos em qual lado da corda queremos estar.

O primeiro passo

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 5 Comments


Um novo ano quase sempre vem acompanhado de um friozinho na barriga e uma boa dose de expectativa. A sensação é como se muitas coisas fossem mudar, por um simples número que avança no calendário.  Mas, na verdade nua e crua, é apenas o tempo passando, fazendo seu serviço.  É claro que, como disse no post página em branco, um novo ano é a chance de usar o aprendizado do ano anterior para se escrever melhor o novo capítulo que se abre, mas cada mudança a seu tempo.

Não adianta alimentar uma ansiedade desesperadora de que tudo irá se transformar nesse percurso de 365 dias. É preciso enxergar adiante e delimitar pequenos desafios menores para, a longo prazo, alçar vôos maiores.

Se sua ideia é emagrecer alguns quiilinhos, não adianta iniciar o ano se privando de tudo o que tem de mais gostoso. É necessário dar o primeiro passo. Reduzir os alimentos mais gordurosos, adquirir, aos poucos, hábitos mais saudáveis e criar objetivos curtos, para que o desânimo não interrompa o alvo final. ( É o que estou tentando fazer..rs)

Se sua meta é viver uma experiência de auto-aprendizado, talvez tornando-se alguém mais tolerante ou mais gentil, comece pelos pequenos gestos. Não adianta forçar um personagem e, de um dia para o outro, se transformar na boa samaritana, se seu apelido sempre foi Tati Quebra Barraco.

Se escrever um livro é sua meta do ano, não adianta sair escrevendo ligeiramente sobre tudo o que vê na frente.  Comece com o primeiro passo. Estipule horários para se dedicar a esta atividade e, com calma, deixe as palavras dominarem, espontaneamente, o movimento de seus dedos.

Quer um ano de mais leitura? Não adianta sair comprando uma pilha de livros para amontoá-los todos na estante. E, mesmo que faça isso, não tenha pressa em finalizá-los. Eles estarão todos ali à sua espera, desfrute de cada um com prazer e tranqüilidade.

Respire. Não tente atropelar o tempo. Acredito que, para todo e qualquer plano que tenhamos para 2012, é fundamental enxergar o primeiro passo e focar naquilo que nos é mais acessível hoje e agora.

É melhor ir devagar, armazenando energias, do que gastar toda a pilha antes de chegar do outro lado do rio. No fim das contas, seu caderninho de “Planos para o ano novo” não terá sido um projeto abandonado no meio da correnteza.

E você? Qual o primeiro passo para 2012?

Palavra do dia – Marina Colasanti

Posted on by Renata Stuart in Entre Aspas | 4 Comments


Eu sei, mas não devia

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração. A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez vai pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.
A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Marina Colasanti (Asmara26 de setembro de 1937) é uma escritora e jornalista ítalo-brasileira nascida na então colônia italiana da Eritreia. Ainda criança sua família voltou para a Itália de onde emigram para o Brasil com a eclosão da Segunda Guerra Mundial. No Brasil, estudou Belas-Artes e trabalhou como jornalista, tendo ainda traduzido importantes textos da literatura italiana. Como escritora, publicou 33 livros, entre contos, poesia, prosa, literatura infantil e infanto-juvenil. Uma ideia toda azul é um livro seu de contos que ganhou o prêmio O Melhor para o Jovem, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Em 2010, recebeu o Prêmio Jabuti pelo livro Passageira em trânsito.[1]

Nunca x Sempre

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Textos de amor | 4 Comments


Se há duas palavras que deveriam ser excluídas, ou ao menos evitadas, em nosso vocabulário, são Nunca e Sempre. Ambas fazem promessas com relação a um futuro sem a menor garantia que serão cumpridas, já que o tempo e os acontecimentos não estão na palma de nossas mãos.

Quando você diz que nunca irá perdoar alguém você está assegurando que, em tempo algum, será tocado pelo perdão ou pela saudade. O nunca, de certa forma, te proíbe de voltar atrás. O nunca nos faz pagar língua até nas coisas mais banais. Quando você jura para si mesmo que nunca irá comer suflê de repolho você não imagina que, dentro de alguns meses, estará saboreando essa ‘delícia’ justo no primeiro jantar na casa do seu namorado. Quando você afirmou com toda a convicção do mundo que nunca dançaria pagode ou funk você não podia prever que faria isso num nível 3 de álcool. Enfim, quando você disse que nunca esqueceria o Dudu que conheceu em Guarapari, você não sabia que, mais tarde, ele se tornaria só mais um romance de carnaval. Quando você disse que nunca colocaria os pés numa prisão, você não esperava ter de pagar a fiança do seu filho um dia.

Por outro lado, quando você suspirou dizendo que amaria as músicas do KLB para todo o sempre, você não fazia idéia do que era gosto musical. Quando você afirmava que sempre seria a mesma, você não contava que as circunstâncias da vida te fariam mudar tanto. Quando você prometeu que sempre moraria na sua pacata cidade natal, você não sonhava em receber uma proposta de trabalho irrecusável na Flórida. Quando você se gabou dizendo que sempre tem humildade para pedir desculpas, você não sabia que o orgulho um dia te invadiria.

Assim são os sempres e os nuncas da vida. Por vezes, nos fazem cair em contradições….por vezes, nos fazem cometer atos que, em outra época, reprenderíamos. Ambas são palavras fortes que, embora não pensemos, deveriam ser ditas com mais cautela.

O nunca é soberbo, pretensioso, autoritário. Já o sempre é vago, costuma soar falso e, ao mesmo tempo, é ilusório.

Mas, sejamos flexíveis. Existe algo melhor que ouvir de quem amamos um “Nunca vou te abandonar” ou um “Sempre estarei ao seu lado”?

Mesmo sabendo que essas palavras são meras promessas que podem ser desfeitas pelas armadilhas da vida, não cansamos de proferí-las e, muito menos, de ouví-las. A sensação é de proteção, de segurança, de acolhimento. Neste caso, o conforto momentâneo das palavras se torna mais importante que qualquer pretensão. Que se dane o amanhã, sempre vale à pena fazer promessas para quem amamos. Nem que seja só por hoje.