O medo da mudança

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 1 Comment

Mudança. Essa palavra nem sempre nos agrada muito, talvez seja porque toda mudança pressupõe perdas. Seja os amigos ou vizinhos que você perde quando muda de endereço, ou quando muda de emprego. Por mais que a mudança traga coisas boas e novas experiências, ela sempre significará perder outras. É inevitável.

Temos a tendência em buscar estabilidade, calmaria. A mudança sempre gera uma sensação de insegurança, porque tudo que é novo é desconhecido. Já pensou em quantos relacionamentos são mantidos (“empurrados”) pelo simples medo da mudança? E se eu me arrepender? E se eu não encontrar alguém melhor? E se? E se? No entanto, muitas perguntas só são respondidas com a temida mudança. Sem ela, tudo se torna mera especulação. Só arriscando se sabe as conseqüências de nossos atos.

 

 

Vivemos na esperança de que as coisas mudem para melhor, sendo que, muitas vezes, o único modo de as coisas realmente mudarem é se nós mudarmos primeiro. Há pessoas que têm a pretensão de mudar o mundo, mas não buscam mudar a si mesmo, mudar para melhor. Simplesmente dizem de forma autoritária “Sou assim. Não há o que fazer. Vou morrer assim” e impõem “Me aceite como sou”. Ok. As pessoas não são iguais (ainda bem!), e temos que enxergar seus defeitos apenas como características diferentes, do contrário sempre seremos decepcionados. Mas por que temos que aceitar tudo do jeito que é? Por que não tentar mudar? Mudar é preciso.

O tempo nos muda, nos amadurece, nos mostra tantas coisas que antes eram embaçadas ou ofuscadas. Um amigo (acho que posso chamá-lo assim) escreveu certo dia: “Antes tarde do que mais tarde. Se não começou a reforma na sua vida, não deixe para amanhã. É agora, é a partir desse minuto. As mudanças não são instantâneas, mas a iniciativa tem de ser imediata”.

E é isso que venho compartilhar aqui. Não tenha medo da reforma. Se reinvente. Inove. Ouse. Recomece. Deixe as mudanças falarem… A vida precisa delas. Seja no modo de agir, nas novas oportunidades que a vida te oferece, na visão de mundo, experimente mudar! Pequenas iniciativas podem te levar a grandes mudanças. E se a mudança mostrar que quer se impor, não fuja dela. O que parece ruim hoje, pode ser responsável por algo maravilhoso amanhã. E mesmo que você se arrependa, permita-se errar. A vida tem disso. Se você não arriscar, não saberá nunca.

Estabilidade é bom, claro. Mas não querer correr riscos nunca, pode significar comodismo, estagnação. Como disse esse meu sábio amigo, “o próprio medo da reforma pode significar a necessidade dela”.
Sendo assim, quem busca o melhor, tem que se sujeitar aos riscos e fazer as escolhas, mesmo que elas signifiquem perdas. Afinal, ninguém pode ter tudo na vida, né? Quem fica preso no passado ou no presente, com medo de mudar, acaba perdendo o futuro.

Por isso, meu conselho é: Ouse mudar! Não tenha medo de errar ao fazer suas escolhas. Aliás, se quer mais um conselho, busque Deus para te auxiliar nelas, só ele nos mostra o que é melhor para nós.

“E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada” (Tiago 1:5)

Pequenas coisas, feitas aos poucos, podem significar grandes mudanças. Segue um vídeo que mostra algumas dessas mudanças que fazem a diferença.
É uma propaganda da Fiat comemorando seus 25 anos.

Bom feriado!

Vida imperfeita

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 7 Comments

Sua vida não é tão perfeita como você gostaria que fosse ou quanto você tenta aparentar que seja. Seus dias não são repletos de sorrisos, seus sonhos nem sempre se tornarão realidade. Seu cabelo não é do jeito que você gostaria e sua altura e peso também não. Haverá dias vazios, em que a tristeza vem até mesmo sem motivo aparente, e embora a alegria chegue no dia seguinte, esses dias tristes sempre voltam…

Seu namoro não é o conto de fadas que você sonhou que seria quando era adolescente, aliás, conto de fadas não existem. Seu salário não é grandes coisas e, mesmo que você ame o que faz, tem dias que levantar é uma tortura. Você não tem aquela roupa bacana que viu na vitrine, nem aquele carro do ano.

Você também não dorme a quantidade de horas que gostaria. Tem dias que o mau humor toma conta e você só sabe resmungar. A paciência se esgota e se converte em atos de antipatia ou até socos no computador lento. O estresse no trânsito se mantém durante o resto do dia.

Então, quando você deixa de olhar apenas para si mesmo e consegue enxergar o que existe ao redor, você vê o morador de rua mexendo no lixo e tomando o restinho de iogurte que resta no pote, vê o paraplégico pegando o ônibus para trabalhar sozinho e sorridente. Vê a criança descalça vendendo balas, e vê um aviso de pessoas que estão precisando de um transplante ou doação de sangue … suas vidas se resumem simplesmente em lutar para sobreviver.

E você volta a olhar para si mesma. Envergonhada e se sentindo uma tremenda egoísta, se preocupando com sua gordurinha extra, reclamando do download lento, da sua noite mal dormida, do seu guarda-roupa desatualizado ou da sua conta bancária.

Nesse momento, nossas reclamações se tornam pó e a gente começa a ver tudo de bom e todas as bênçãos presentes em nossas vidas. Que não são poucas. A pele corada e a saúde forte, a família, os pais amáveis e trabalhadores, os movimentos de todos os membros, a cama quente, a geladeira farta, a visão e todos os outros sentidos, a sabedoria e a oportunidade de poder adquirir mais e mais conhecimento. A oportunidade de respirar ar livre, e não estar preso em quatro paredes numa cama de hospital.

Temos tudo e não sabemos. Ou sabemos, mas esquecemos. Ou não sabemos mesmo, até perder uma dessas coisas.
Desejo que Deus me torne uma pessoa melhor a cada dia, para que eu tenha consciência e dê valor a tudo que tenho.

Se você não tiver tempo para ir a igreja ou para conversar com Deus antes de dormir, ou se não acreditar que orações funcionem, diga apenas uma palavra: “OBRIGADA”.

Afinal, o que é confiança ?

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 4 Comments

confianca

O dicionário Aurélio a define como 1.Segurança íntima de procedimento 2. Crédito, fé. 3.Boa fama.

Para mim, confiança nada mais é que ausência de medo. Quando há confiança, não há medo de arriscar, de errar, de se machucar. É simplesmente se entregar, sem sofrer por antecipação pelas consequências, pois a confiança não nos deixa ver o que pode dar errado. Confiança é também otimismo. É doar-se a alguém sem medo de estar sendo enganado.

Confiança é certeza. Certeza de que sua melhor amiga não te difama quando você lhe dá as costas e certeza de que ela irá te defender se alguém o fizer.Confiança é ousadia. Só os ousados não temem o erro. E quando o erro acontece, confiança é esperança. Só quem tem fé continua e persiste até obter êxito.

Confiança é alma leve, tranquilidade transbordando, paz interior. Nos relacionamentos, confiança é reciprocidade, é mutualidade. Se não for uma via de mão dupla, ela não existe. Confiança é respeito, é amor, e, sobretudo, fidelidade. Mas a confiança brota de dentro, logo, quem não confia em si próprio, tampouco confiará no outro.

Entretanto, infelizmente, nos últimos tempos, o excesso de confiança no outro tornou-se sinônimo de ingenuidade! Ora, mas quem disse somos espertos? Diversas vezes insistimos em confiar, confiar …até que o pouco de confiança que nos resta, começa a se dissolver nas mentiras, nas decepções e nas surpresas desagradáveis da vida. Sim, os laços estão frouxos, os cadeados não travam com a mesma força e os interesses estão falando mais alto que os sentimentos. “O mundo é dos espertos”, é o que ouvimos. “Desconfie, tenha sempre aquele pezinho atrás”.

Ok, tenho que concluir que, sim, temos que seguir esses dolorosos conselhos. Mas também não sejamos radicais.
Não exclua toda e qualquer chance de confiar em alguém. Modere sua confiança nos outros, sim, vá com calma, o mundo está mesmo louco e não se sabe para onde foram os critérios de bom caráter.

Mas, não se esqueça: confie [sem moderação] em si mesmo!

Tenho certeza que você não irá se decepcionar!

 

Por Renata Stuart

Quem vai dizer tchau

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Textos de amor | 1 Comment

Hoje, por um acaso,  escutei uma música da qual eu nem me lembrava mais: Quem vai dizer Tchau, do Nando Reis.

Prestando atenção na letra, a gente percebe que se trata de um homem que lamenta o fim do amor que sentia pela sua mulher ou namorada, enfim. Ele se pergunta quando foi que isso aconteceu e quem terá a iniciativa de terminar, ou seja, dizer tchau.
Mais a frente, a letra diz:

“A gente não percebe o amor
Que se perde aos poucos sem virar carinho.
Guardar lá dentro amor não impede,
Que ele empedre mesmo crendo-se infinito.
Tornar o amor real é expulsá-lo de você,
Pra que ele possa ser de alguém!”


Ou seja, se não cultivarmos, se não regarmos o amor como uma planta que necessita de água para sobreviver, ele se perde aos poucos sem que a gente sequer perceba.

Se a pessoa que você ama  sabe e tem toda a certeza do mundo que você também a ama, isso não impede que esse amor se perca com o passar do tempo. Ter essa certeza dentro do seu coração não torna o amor resistível às armadilhas do tempo, da convivência, da rotina. Dizer que ama todos os dias, sem fazer esforço para aumentar esse amor, não impede que ele fique estagnado, empedrado.
Não basta amar e saber que é amado, é preciso sentir e, para tal, é preciso externar, expulsar esse sentimento como a música diz.

Penso que mais difícil que conquistar o amor, é mantê-lo vivo todos os dias, respirando.  Mas, infelizmente, o que vemos hoje é uma vez conquistado o amor, ele se torna uma espécie de obviedade, lógica, está sempre subentendido, e não mais explícito.

Para estar vivo, o amor precisa estar fora de nós, trazendo sorriso a alguém, trazendo cumplicidade, trazendo força, intensidade.

Por isso, ame, ame muito, mas não guarde esse amor, verbalize, perdoe, escute, relembre, aconselhe, compartilhe, dê privacidade, compreenda, seja bobo, deseje e realize. Antes que o amor se esvaia e você tenha que dizer tchau para ele.

Futuro: um sonho necessário

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 8 Comments

Fazer planos, sonhar com o amanhã…
Como eu estarei daqui há 10 anos? O que eu terei conquistado? Onde estarei ? Quem estará ao meu lado ? Ainda estarei gostando das mesmas coisas que gosto hoje? Estarei feliz? Terei filhos? Terei vivido um grande amor?
Eu acho que pensar no futuro é perturbador. Ele é um tempo sobre o qual não temos controle (embora algumas pessoas soberbas acreditam ter).
Acho que penso isso pela insegurança da vida, pela incerteza se estarei respirando quando o sol amanhecer. Acho que o futuro gosta de fazer pegadinhas com a gente, pois estamos sempre atrás dele. No novo ano que se inicia, na esperança dos dias melhores, na esperança que o tempo cure alguma dor, ou quando levantamos cedo para ir trabalhar e nos garantir um futuro digno. Pensando no futuro, abrimos mão do presente o tempo todo, sem perceber.
Mas, ultimamente eu tenho tentado enxergar as coisas de outra forma. Mais otimista, digamos. Se o amanhã não existisse em nossa mente, o hoje seria apenas uma tentativa desesperadora de se realizar tudo agora e já.
Descobri que o futuro é o combustível que coloca o presente em movimento…É acreditando no futuro, que a gente ganha energia para viver todos os dias. Do contrário, construir uma história de vida não faria sentido. A história só existe se o futuro existir.
O que seria da vida se não pudéssemos sonhar? Nossas ambições não teriam valor algum. O que seria de nós, quando a angústia toma conta, se não acreditássemos que dias melhores virão? Em função de que viveríamos? Trocaríamos os grandes desejos da vida por desejos de momento. Mas os momentos passam… e a vida continua!
Enfim, acho que sonhar com futuro é necessário. Só não podemos colocá-lo em detrimento do presente. Temos que sonhar com o cabelo branco de amanhã, sem deixar de usufruir da juventude que temos hoje. Temos que sonhar com a maioridade sem abrir mão da infância. Viver pressupõe sonhar. A vida pede sonhos. Tudo ao seu tempo. Com calma, fé e intensidade.

Proibida a entrada de feios

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments

Padrão de beleza sempre foi um assunto muito polêmico. Muitas pessoas, principalmente as mulheres, são insatisfeitas com sua aparência e tipo físico. Esses padrões, impostos pela sociedade, mídia e revistas de corpos esculturais, interferem no psicológico das pessoas, que não valorizam a própria individualidade.

Mas o que é bonito? Quem tem essa resposta? Quem definiu o que é bonito e o que é feio?

Bom, a rede social Beautiful People acredita que é dona dessa verdade.

A rede, que se diz exclusiva para pessoas bonitas, já rejeitou cerca de seis milhões de pessoas em todo o mundo, além de expulsar 30 mil usuários que conseguiram se cadastrar “por engano” , ou seja, não eram bonitos aos olhos deles.

Os “bonitinhos” ou “simpáticos”, são chutados sem um pingo de piedade. Para ser aceito na rede, você deve preencher um questionário com aspectos como idade, cor do cabelo, olhos, altura, peso, altura, tipo corporal, hábitos de beber e fumar, entre outros. Mas o mais #FÚTIL eu ainda não contei. Como todos sabem, a beleza não é tão importante se você possui uma conta bancária bacana ou um carro de luxo, não é?!

A rede social ainda levanta dados como: patrimônio líquido, casa própria, carro próprio, cargo, entre outros. Ou seja, #STATUS e #GRANA podem ser tidos como #BELEZA.

Curiosa como sou, resolvi me submeter a essa palhaçada e fazer o “teste de beleza” (ou feiúra?) segundo os “bonitões da web”. Fiz o cadastro, e esperei 48horas, tempo de duração da avaliação dos próprios membros da rede, que votam positiva ou negativamente. Antes do término da votação, eu não tinha sequer o direito de navegar na rede.

Me surpreendi ao ver que fui aceita! (e nem precisei mentir sobre meu peso..rs). Dei uma analisada, vi o que as pessoas fazem por lá, e pude constatar uma coisa: são todos um bando de bobos, LINDOS (na opinião deles próprios) e que se acham no direito de apontar quem é feio e bonito.

Abaixo tem um print que dei da interface do site, quando faltavam sete horas para minha “aprovação” (grande coisa).

Qual a utilidade do site? Só uma: Excluir os que não se encaixam no modelo deles (seja por não ter “beleza” ou dinheiro) e aumentar o EGO dos participantes, que se sentem os Deuses da web!

Por uma vida melhor ? ? ?

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments

Recentemente, li uma matéria sobre o livro didático “Por uma vida melhor” em que ocorre (sim, podem falar que eu tenho preconceito linguístico) um verdadeiro assassinato da língua portuguesa! O livro permite que o aluno fale “os livro”, “nós pega”, entre outras barbaridades! Eu sei, também fiquei chocada! Já sinto pena dos quase 500 mil estudantes do ensino fundamental que receberão a obra que será distribuída pelo Ministério da Educação. (Mais um absurdo para descredibilizar o Haddad). Segundo a autora do mal feito, erros gramaticais são aceitos na língua falada, ou seja, ninguém pode me julgar mal se eu disser “os livro que comprei estão emprestado”! Quando soube disso, imediatamente me lembrei do livro “Preconceito Linguístico”, de Marcos Magno, o qual li no 1º período do meu curso, na disciplina de Oficina de Texto. Segundo o autor, a linguagem gera desigualdades sociais e, dessa forma, aquele que diz “nós pega” ou “os livro” não comete um erro, pois a sua cultura é tão válida quanto qualquer outra. Na teoria, não parece tão ruim, mas será que na realidade isso não contribui ainda mais com o preconceito? Por que manter um estudante na ignorância ao invés de ajudá-lo a se inserir na sociedade do conhecimento? Quem fala mal, escreve mal… #fato!

Alguém que tem domínio da língua portuguesa descriminaria alguém que falasse “Os menino vai”, não acham? E numa entrevista de emprego? Qual seria o resultado disso? #aff

Na boa, é muito dinheiro investido no lugar errado! E a luta em priorizar a #educação? Pra    onde foi?

O nome do livro é, sem dúvidas, a maior ironia, pois só proporciona uma vida PIOR a um brasileiro que luta incessantemente para sair da pobreza. Além disso, essa ‘babozeira’ toda só serve para aumentar a preguiça das pessoas em aprender o modo correto de se falar o português.

#Inaceitável

É triste ver o país investindo R$ para emburrecer a população. #Brasilfail

Um Sorriso Muda Tudo

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 2 Comments

Um sorriso pode mudar todo o nosso dia. Reclamamos da segunda-feira, de ir  trabalhar cedo, do trânsito e etc! Com isso, fazemos do dia um verdadeiro tédio. Vivemos na contagem regressiva para que o dia termine, que o fim de semana chegue logo. Andamos com pressa, de mal humor no trânsito, mal damos atenção a música que toca no rádio, ao céu azulado, o sol lá fora, e muito menos às pessoas. ‘Bom dia’ ao porteiro? ao trocador? Isso é só naqueles dias raros de bom humor, quando você recebeu uma notícia radiante que só diz respeito mesmo a você. Mas por quê tem que ser assim? Por que não podemos fazer de um tia típico, qualquer, um dia inspirado e alegre? Se vemos as coisas com outros olhos, tudo ao nosso redor muda, parece que todos em volta são nossos amigos e tudo flui melhor!A gente percebe até que nosso estado de espírito positivo atrai coisas boas, o dia passa leve, agradável e você nem precisou ficar olhando pro relógio!

Experimente sorrir para o mundo … que ele irá sorrir de volta 🙂

As palavras mudam tudo …

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | Leave a comment

 

Palavras existem inúmeras… mas a escolha delas muda tudo!

Mude suas palavras. Mude seu mundo.

AMAR É PUNK !

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | Leave a comment

O vídeo abaixo é uma crônica digital da escritora e redatora Fernanda Mello. Curti muito o estilo oral de se fazer crônica. Essa em particular teve mais de 12 mil acessos em uma semana! Acho que muita gente se identificou com as palavras da autora. Embora eu não concorde com tuuudo que foi dito por ela, ela deu um banho de realidade nas ilusões românticas e adolescentes que toda mulher tem dentro de si. Amor doido, intenso,  de tirar o fôlego? Isso não é amor, é paixão. Bom mesmo é um amor tranquilo, como já dizia Cazuza. 🙂

Confiram: