Não quero virar a página, quero um novo livro.

livrosVirar a página é pouco. Decidi que quero um novo livro. Sim, pois a vida é muito curta para perder tempo lendo um livro que não te extasia, que não extrai o melhor de você, que não te tira da realidade de vez em quando.  Quero me reinventar, me reescrever, me republicar.

Não que os livros velhos perderam seu valor. Cada leitura tem sua importância e todas elas ficam para sempre guardadas na estante da vida. Cada livro lido no passado interfere nas interpretações que faremos dos próximos. As experiências de ontem formam o que somos hoje. E isso é parte da vida.

Mas às vezes é preciso se desapegar de velhas páginas, velhas histórias e velhos caminhos que já não nos levam a lugar algum. E não, não é fácil se desapegar do livro de cabeceira. Não é tão simples abandonar o comodismo, abrir mão estabilidade e se jogar no escuro. É preciso coragem para se sujeitar ao erro. É preciso ousadia para se colocar diante do vazio das páginas em branco. É preciso força para enfrentar a interrogação do amanhã incerto.

E se eu me arrepender? Bom, esse é o preço que as pessoas intensas pagam. Se  arrepender, siga em frente. Sempre existem novas possibilidades e novas descobertas te esperando lá fora. Portanto, aceite as consequências e simplesmente continue, um dia após o outro.

Antes que você pense que as pessoas intensas são inconsequentes e não pensam nos efeitos de seus atos, alto lar: Nós pensamos, e muito, antes de tomar qualquer decisão, mas a conclusão é quase sempre a mesma: “prefiro me arrepender do que fiz do que daquilo que não fiz.” Então a gente mergulha e encara as próprias escolhas de cabeça erguida. Para nós, não há nada pior do que um lamentável  “como seria SE eu tivesse tentado”.

Nada contra quem se resigna diante da vida, não se arrisca e se contenta com aquilo que tem pelo simples medo de não poder ter algo melhor. Os intensos precisam de mais. Como eles se entregam por inteiro, eles não aceitam metades e não se conformam com menos do que acham que merecem ter.

E esse “mais” que as pessoas intensas buscam nem sempre está em outro alguém.  Elas  têm amor próprio e adivinhe só?  Preferem estar sozinhas do que receber migalhas do outro. O “mais” também pode estar na liberdade, no prazer da própria companhia, em um novo projeto, uma viagem, ou até mesmo na emoção de não saber o que nos espera no final do livro. Sim, pois, a cada esquina, tudo pode mudar.  Um novo lugar. Um novo olhar. Um novo sentido. Tudo, a qualquer momento, pode representar o início de um novo capítulo e, quem sabe, um novo livro que mereça estar em sua cabeceira.

E aí, quando a gente sente – de dentro pra fora – que vale a pena abrir mão da solidão agradável, a gente se entrega e se embarca em uma nova história, com mais sabedoria e talvez menos expectativas, mas sempre com o mesmo objetivo: ser {intensamente} feliz!

Por Renata Stuart

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Textos de amor

About Renata Stuart

Renata Stuart tem 26 anos e é mineira, de Belo Horizonte. Se não fosse comunicóloga, seria psicóloga. Romântica incurável, intensa e fã de pessoas, escreve para tentar entender o comportamento humano, os relacionamentos e a si mesma. Desistiu e chegou à conclusão de que a vida não se explica, se sente.

Add a Comment