Resenhas

De um diário para o mundo

Posted on by Renata Stuart in Resenhas | 2 Comments

exposicaomenorDe uma escrita despretensiosa, como quem precisa desabafar e externar o medo, nasce uma história, infelizmente real, contada por uma adolescente a milhões de pessoas de todo o mundo. Hoje visitei a exposição internacional sobre a vida de Anne Frank, na Escola Superior Dom Helder Câmara, aqui em Belo Horizonte(MG).  Uma verdadeira viagem a esse passado horrendo do Holocausto, que marcou nossas vidas e nossos livros de história para sempre.  A mostra está montada bem no hall de entrada do prédio onde funciona a faculdade (Rua Álvares Maciel, 628 – Santa Efigênia) e a entrada é gratuita.

Uma linha do tempo divide duas as histórias: A da pequena Anne e a do nazismo, ideologia que surge em meio a um cenário devastado na Alemanha – derrotada na Primeira Guerra Mundial e repleta de indenizações a pagar – em que a população se encontra desempregada e em extrema miséria, com todos se sentindo amargurados e com sentimento de vingança. Os painéis – muito bem feitos, por sinal, – contam, por meio de fotolegendas, a crise na Alemanha, as ações de Adolf Hitler e seu partido (NSDAP) e, paralelamente, a história de Anne, seu nascimento, sua família, sua vida escolar, e assim por diante.

De um lado, o ódio cada vez maior aos judeus, com os nazistas os responsabilizando por todos os problemas enfrentados pelo país, o crescimento absurdo dos seguidores do Hitler e seu destaque gradual nas eleições. De outro, a garotinha – que sonhava em ser escritora ou jornalista – vai crescendo, frequenta a escola com seus amigos alemães, até que, em janeiro de 1933, após a ascensão de Hitler no governo alemão, ela precisa emigrar às pressas para Amsterdã, na Holanda, junto com sua família. E é nesse cenário em que o diário começa a a ser escrito, anos mais tarde, em 1942, dentro de um esconderijo nos fundos da firma do pai, Otto Frank.

Frases impactantes – retiradas do diário de Anne Frank – são misturadas a imagens da menina de rosto meigo e a cenas da intolerância do nazismo, além de fatos históricos da Segunda Guerra Mundial. É tudo muito sufocante e inacreditável. Por mais que o assunto seja martelado em todo nosso período escolar, por mais que existam centenas de filmes relatando esse genocídio, estar diante dessa história será, sempre, perturbador. As imagens foram bem selecionadas e os textos que as acompanham seguem uma linguagem de fácil compreensão. É como mergulhar num livro de história bem didático. Além dos painéis, uma TV de frente a um pequeno sofá – no mesmo local – passa um documentário sobre o assunto, também mesclando a vida da garota ao acontecimento histórico.

Anne foi apenas uma menina que havia ganhado um diário num momento turbulento e, coincidentemente, gostava (e precisava) de escrever. Ela se tornou um símbolo do martírio judeu e da luta contra a intolerância, pela preservação da liberdade e dos direitos humanos, e por uma sociedade democrática e pluralista. Mas e todos os Betos, Thiagos, Celsos, Marias, Cristinas, Simones (não conheço nomes em alemão) que não tiveram a oportunidade (nem tempo) de contar (ou de viver) suas histórias? A essas seis milhões de vozes caladas eu dedico este texto.

A exposição “Anne Frank: uma história para hoje”, é apenas uma parte da exposição maior “Brasil e Holanda – Paz e Justiça – Refletindo sobre o passado, construindo um futuro melhor”. Há, ainda, uma seção que resgata a vida de João Maurício de Nassau e sua influência no Brasil no século 17 e outra sobre Haia,  conhecida como a Cidade Internacional da Paz e da Justiça. A visitação ocorre até o dia 31 de maio, de segunda à sexta-feira, das 8h às 21h, e aos sábados, de 8hs às 15hs. Recomendo!

Por Renata Stuart

Somos o que recordamos

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Resenhas | 2 Comments

Hoje assisti ao filme The Vow, que significa “O voto”, mas que, por algum motivo, foi traduzido no Brasil como “Para Sempre” .  Na trama, que é inspirada em fatos reais, um casal apaixonado e com poucos meses de casados (Paige e Leo) sofre um acidente que causa na mulher uma lesão cerebral, deixando- a sem a memória de curto prazo. Ou seja, ela se lembra de sua vida toda, mas não recorda absolutamente de nada dos últimos cinco anos que viveu, inclusive do seu marido.

Agora, além de não conhecer o próprio marido, a mulher se sente ligada ao seu ex-noivo, de quem não se lembra de ter se separado. E o marido, ao invés de desistir da mulher que agora o vê como um mero estranho, luta de todas as formas para merecer o amor dela novamente, o que não parece fácil, já que cinco anos foram suficientes para modificar, e muito, sua esposa.

Uma frase que me marcou no filme foi: “Cada um de nós é a soma dos momentos que já tivemos. E de todas as pessoas que já conhecemos. E são esses momentos que se tornam nossa história.”  Apesar de parecerem simples, achei essas palavras de uma sabedoria sem tamanho. Não, esse não é mais um texto de amor. É só um pensamento que absorvi dessa linda história e gostaria de compartilhar.

Sendo assim, se o apagar da memória interfere tão fortemente no que somos e no que sentimos, não é difícil concluir: Somos o que recordamos. Eu sou o lugar onde nasci e as pessoas com quem convivi. Eu sou as coisas que fiz e faço, dia após dia. Cada atitude simples e banal que já tive definiu quem eu sou hoje. Eu sou o que eu vi, por onde passei e com quem estive.  Sou todas as conversas que tive em toda minha vida. Sou os olhares, abraços e gestos que me marcaram. Sou os livros que li, os filmes que vi, os textos que escrevi. Sou os meus momentos, as situações que enfrentei e até as coisas que nunca vivenciei.

Tudo, absolutamente cada detalhe, formaram a minha pessoa. Havia infinitas possibilidades para o meu ‘ser’, eu poderia ter sido um ‘eu’ completamente diferente do meu ‘eu’ se eu tivesse nascido em outro lugar, convivido com outras pessoas, com outras referências, e vivido experiências diferentes que, certamente, me levariam a caminhos diferentes.

E a vida é isso, um trem em viagem constante. Um trem que, em cada ponto que passa, acrescenta algo no bagageiro. E essa bagagem é o que somos. É a nossa essência. São nossos gostos, valores, escolhas, atitudes. Pode parecer óbvio, piegas ou filosofia barata, mas, em síntese, se tudo o que vivemos é guardado na memória, a memória é quem guarda o que somos.Ela é a nossa identidade-mor. É onde moram nossas opiniões, crenças e sentimentos.  É onde a gente se encontra secretamente com a gente mesmo, onde nossos pensamentos se organizam, onde tudo que está ao redor passa a fazer sentido.

E se somos a nossa memória, que sejamos algo que valha a pena ser lembrado e que não mereça ser esquecido. Não falo de títulos, méritos, nem reconhecimento. Falo de alma, coração e, claro, intensidade.

Por Renata Stuart