Reflexão

Escrevendo sobre o inevitável …

Posted on by Renata Stuart in Desabafos, Reflexão | Leave a comment

Eu tentei evitar falar sobre isso, aliás, sigo todos os dias da minha vida tentando não pensar nisso.  E eu tentei adiar esse momento, mas eu sabia que, mais cedo ou mais tarde, eu teria que me sentar e escrever sobre isso.  Isso que eu não gosto nem de citar o nome. Tá, pode parecer superstição ou sei-lá-o-quê, mas eu não gosto de falar o nome e pretendo ir até o fim desse texto sem sequer citar o objeto dele.

Isso que não aconteceu comigo ainda, mas vai acontecer. Não aconteceu com você que está lendo essa crônica nesse instante, mas vai acontecer, cedo ou tarde. Talvez você não tenha tempo nem de chegar ao fim desta crônica, mas talvez você tenha tempo não só de ler essa crônica, mas também de ir estudar amanhã, depois e depois até pegar seu diploma em direito, casar-se com seu futuro marido que você vai conhecer no tribunal, ter uma carreira reconhecida e mega estabilizada e, claro, muitos filhos de dar orgulho. Enfim. Cedo ou tarde, não importa quando, um dia isso vai acontecer com você e com todos. Mas o fato é: nunca estamos preparados para isso.

Já sabe do que estou falando, né? É bom que saiba, pois não posso ser mais literal que isso.  Parece ironia eu falar disso justo agora, logo em seguida da última crônica que postei aqui, em que o assunto era a celebração da vida, da existência. Sim, a vida é linda e é justo que se façam milhares de histórias, textos, crônicas, versos, poesias e sonetos sobre ela. Mas o fim da vida – que não manda cartão postal anunciando sua chegada – também deve ser retratado, afinal, ele é totalmente intrínseco a nossa vida.

Dizem que morrer faz parte da vida. Ninguém aceita, mas faz. A vida tem suas milhares de fases e a morte é apenas uma delas. Pronto. Parece frio e seco dito assim, à grosso modo, eu sei. Como se isso fosse óbvio e incontestável, mas não é. Não é simples assim e eu ainda não consigo aceitar a morte, justamente eu, que tenho essa mania de querer que tudo seja para sempre.

Acho muito fácil algumas pessoas falarem que a morte faz parte da vida e que devemos aceitá-la a todo custo. ‘Aceitar’ não sei bem se é a palavra, acho que caberia  mais ‘suportar’, ‘tolerar’. Não entra na minha cabeça que devo aceitar tranquilamente que nunca mais verei meu irmão caçula que eu tanto amo. O que eu entendo é que não tenho escolha, não me restam opções. O mundo não acabou como eu achei que acabaria e, dessa forma, sigo vivendo sem ele. Aceitando? Jamais. Mas seguindo como alguém que é incompleto. Mas, afinal, quem é completo nessa vida? Todo mundo sente falta de algo. Uns de pessoas, outros de coisas, outros de sentimentos, outros de status. E todos vão vivendo assim, nessa busca incessante de suprir a falta de algo.

Antes de simplesmente nos falarem que a morte faz parte da vida deveriam implantar esse ensinamento nas escolas então, desde o princípio, lá no maternal, sabe? Para que cresçamos com a consciência natural de que, no meio do percurso da vida, algumas pessoas nos serão tomadas e que não devemos irracionalmente querer apertar o stop e parar de viver também. Por outro lado, pensando bem, se a morte fosse tratada das escolas comumente, tenho certo receio de que tanta naturalidade a banalizaria. Ou seja, as pessoas poderiam até sofrer menos com as perdas, mas também seriam mais frias e, talvez, insensíveis. Sei lá, acho arriscado.

E a esta altura, você já deve ter reparado que, ao contrário do que prometi no início, acabei soltando a palavra que resume essa crônica: A morte. É, vamos repetir: a morte. Quem sabe assim fica mais fácil aceitar essa cruel que só nos condena a tristeza e a saudade. Sei que não é um assunto legal para se ler, me perdoe. A morte ainda é tabu e ler uma crônica sobre ela não anima o dia de ninguém. Mas, assim como eu disse no texto anterior que envelhecer é viver, morrer também é viver, afinal, para morrer, é preciso, antes, estar vivo.

 

Por Renata Stuart

Porque envelhecer é viver …

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 2 Comments

É o meu aniversário. Sim, não me importo em anunciar: Estou ficando mais velha hoje. Aliás, não só hoje, todos os dias, fico um pouco mais velha. Sim, essa é uma das poucas certezas que temos nessa vida. Todos (os que têm sorte), com o passar dos minutos, horas, dias, semanas, meses, envelhecem. Acontece que apenas nos anos é que a gente se lembra de celebrar isso.

E tudo ocorre de forma sutil, a gente quase nem sente num período de curto prazo. Vamos apenas vivendo e quando nos damos conta: Os anos se passaram. E, então, as marcas do tempo começam a falar. Não falo apenas de rugas ou cabelos brancos, falo das cores, gostos, sentimentos e sensações que ficam para trás, dando lugar a outros, nem melhores, nem piores, mas diferentes. O calendário da vida passa pra todos. Disso, não há como fugir.

Mas, calma, não quero fazer um texto dramático sobre “como-o-tempo-voa” ou “a-idade-chega-para-todos”. Nada disso. Pode continuar ai. Hoje, eu quero brindar a vida. Sim, acho justo! Afinal, há exatamente 22 anos, eu nasci. Num mês frio, durante a madrugada, num parto meio turbulento – sim, pois minha mãe visitou vááários hospitais naquela noite em busca de um médico obstetra – eu vim ao mundo. E, já que estou aqui de passagem, por que não comemorar essa deliciosa viagem que é a vida?

Não entendo bem porque as pessoas têm tanta neura com idade. Envelhecer é algo inerente ao ser humano. Estar velho ainda é estar vivo. Acho que isso deveria ser encarado como só mais uma fase – natural e especial – da vida. Afinal, não é só você que está ficando velho, mas todos da sua geração. E é hora de viver isso juntos, encarar a situação de frente, assumir o tempo de cabeça erguida. Bom, não serei hipócrita. Sinto saudades da minha infância, dos meus quinze anos e sei que, um dia, vou sentir saudade dos 22.  E quando penso que estou próxima dos 30, então?! Sinto um friozinho na barriga como que um misto de tristeza e ansiedade. Tristeza porque sei que terei deixado para trás uma época memorável. A universidade, os amores mal resolvidos, aquela dose de irresponsabilidade, o namoro, as primeiras conquistas, e a famosa “época de arriscar”. Tudo isso vai passar, eu sei. E ansiedade porque sei que há uma outra fase única me aguardando.

Mas é assim que tem que ser. São essas velinhas que sopramos ao longo da vida que nos acrescentam algo como pessoa. São os momentos vividos, experiências adquiridas e escolhas feitas que dão o peso necessário à nossa bagagem. Tenho que prosseguir. E, se para correr atrás dos meus sonhos ainda não alcançados, terei que continuar envelhecendo, que venha o tempo, e que venham muitas velas para eu soprar, pois meus anseios são muitos e tenho planos para um século. Já dizia minha bisavó: “Quem não quer ficar velho, tem que morrer novo”.

É por isso que, hoje, eu só quero sorrir para a vida. Sorrir para todos a minha volta e para mim mesma. Sorrir como alguém que não tem a vida perfeita, mas como alguém que é feliz com o que tem e com o que se tornou. Sorrir como quem é grata pela família inigualável, pelo lar, pelos amigos verdadeiros e pelo amor companheiro. Sorrir pelos abraços, beijos e palavras sinceras. Sorrir pela saúde, pela determinação, pela esperança. Sorrir pelo maior presente que eu podia receber: estar viva!

 

Por Renata Stuart

Distância, fique longe de mim!

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Textos de amor | 3 Comments

Se ela tivesse um gosto, seria amarga. E como é insensível, faz doer sem piedade e causa um vazio dentro do peito de quem é separado por ela.  O ponteiro do relógio parece mais lento, os dias se parecem iguais e o coração fica mais apertado. Sim, falo da distância, essa danada que anda sempre de mãos dadas com a saudade, outra desnaturada.

Várias são as distâncias que nos acometem nessa vida. Tem a distância de quilômetros. De pessoas que moram longe umas das outras e que não podem se ver sempre devido às circunstâncias da vida, casa, trabalho, afazeres, enfim. E tem os casais – coitados – que namoram a distância e que contam os dias, as horas, os segundos para cruzarem o território que os separa.

A boa notícia é que, para esses casos, há algumas soluções razoáveis que a querida tecnologia nos oferece.  Meios de comunicação estão aí aos montes, não é mais necessário sinal de fumaça nem pombo-correio. Para amizade distante, digo o mesmo. Distância não é desculpa para falta de contato. Ouvi uma vez que tempo é prioridade e nós é quem decidimos a quem dedicar nosso precioso tempo.  Uma ligação de vez em quando não faz mal a ninguém. Não é a mesma coisa, óbvio que não. O calor humano, o cheiro, o toque, nada disso pode ser sentido sem a presença real, física, inteira. Mas, convenhamos, sem esses meios, seria impossível sobreviver a tal da distância.

Agora, sendo mais poética, penso que uma das piores distâncias é, sem dúvidas, a distância dos corações. Você o vê com frequência, quase todos os dias, distância física não é o problema. Mas o fato é que ele não te vê. O coração dele está longe demais para se cruzar com o seu. E ai dói ainda mais. Ver, estar ali pertinho e, ao mesmo tempo, não estar, não ser notada. Acredite, a saudade é ainda pior quando não é correspondida.

A distância causa sensações, reações e sentimentos mais absurdos. A distância de quem partiu de vez causa revolta e inconformidade quando nos lembramos de que nunca mais estaremos com aquela pessoa. Nesse caso, a distância é infinita e não são só quilômetros que separam duas pessoas, mas a diferença de estar e não estar respirando. O que dói um bucado.

“Ah, distância. Fique longe de mim! Você não me faz bem.” Mentira. A distância pode fazer bem sim. Ela nos ajuda a enxergar melhor os fatos. Muitas vezes, precisamos estar longe para ver melhor. A proximidade sofre influências que ofuscam nossa visão com relação a alguém ou a um fato. E a distância nos dá clareza, imparcialidade e maturidade para julgar certas coisas da vida. Quando estiver confuso(a) em meio às tempestades da vida, tome um tempo consigo mesmo e se distancie de tudo. A resposta sempre vem.

Mas, cuidado. A danada é cheia de contradições. Quando um relacionamento acaba, por qualquer motivo que seja, a distância é a hora de descobrir como é se virar sem o outro. E é aqui que mora o perigo. A distância não só magoa, mas engana e causa ilusões. Tudo, quando não está mais ao alcance dos nossos olhos, nos parece melhor do que realmente era.

Nossa mente passa a fantasiar que tudo era lindo e cor de rosa.  O cara que era estúpido e frio passa a ser um doce. “Poxa, ele também não era tão ruim, era só o jeito dele de ser, ele tinha uma maneira próprio de dizer que me amava” ou Não vou encontrar outro igual a ele, acho que fui incompreensível, devia ter perdoado, ele tem qualidades raras”.

E adivinhem: tudo que era razoável se torna maravilhoso. Pois é, a distância também causa amnésia. Tudo de ruim que alguém nos fez é esquecido ou fica em segundo plano e só os bons momentos vêm à tona. Não sei bem porque isso acontece, não sou psicóloga nem a dona da verdade. Mas já li muito sobre isso e, o melhor, já vivi isso. Bom, acho que nosso cérebro faz isso para despistar o coração. Ele meio que não aguenta mais ouvir o choro do coração e, por isso, evidencia a “memória boa” na nossa mente para que o coração se renda e acabe de vez com essa distância que causa saudade e faz doer. Compreende? Não? Chega mais perto. Leia com o coração. Quem sabe, assim, a gente se entende.

 

Por Renata Stuart

Somos o que recordamos

Posted on by Renata Stuart in Reflexão, Resenhas | 2 Comments

Hoje assisti ao filme The Vow, que significa “O voto”, mas que, por algum motivo, foi traduzido no Brasil como “Para Sempre” .  Na trama, que é inspirada em fatos reais, um casal apaixonado e com poucos meses de casados (Paige e Leo) sofre um acidente que causa na mulher uma lesão cerebral, deixando- a sem a memória de curto prazo. Ou seja, ela se lembra de sua vida toda, mas não recorda absolutamente de nada dos últimos cinco anos que viveu, inclusive do seu marido.

Agora, além de não conhecer o próprio marido, a mulher se sente ligada ao seu ex-noivo, de quem não se lembra de ter se separado. E o marido, ao invés de desistir da mulher que agora o vê como um mero estranho, luta de todas as formas para merecer o amor dela novamente, o que não parece fácil, já que cinco anos foram suficientes para modificar, e muito, sua esposa.

Uma frase que me marcou no filme foi: “Cada um de nós é a soma dos momentos que já tivemos. E de todas as pessoas que já conhecemos. E são esses momentos que se tornam nossa história.”  Apesar de parecerem simples, achei essas palavras de uma sabedoria sem tamanho. Não, esse não é mais um texto de amor. É só um pensamento que absorvi dessa linda história e gostaria de compartilhar.

Sendo assim, se o apagar da memória interfere tão fortemente no que somos e no que sentimos, não é difícil concluir: Somos o que recordamos. Eu sou o lugar onde nasci e as pessoas com quem convivi. Eu sou as coisas que fiz e faço, dia após dia. Cada atitude simples e banal que já tive definiu quem eu sou hoje. Eu sou o que eu vi, por onde passei e com quem estive.  Sou todas as conversas que tive em toda minha vida. Sou os olhares, abraços e gestos que me marcaram. Sou os livros que li, os filmes que vi, os textos que escrevi. Sou os meus momentos, as situações que enfrentei e até as coisas que nunca vivenciei.

Tudo, absolutamente cada detalhe, formaram a minha pessoa. Havia infinitas possibilidades para o meu ‘ser’, eu poderia ter sido um ‘eu’ completamente diferente do meu ‘eu’ se eu tivesse nascido em outro lugar, convivido com outras pessoas, com outras referências, e vivido experiências diferentes que, certamente, me levariam a caminhos diferentes.

E a vida é isso, um trem em viagem constante. Um trem que, em cada ponto que passa, acrescenta algo no bagageiro. E essa bagagem é o que somos. É a nossa essência. São nossos gostos, valores, escolhas, atitudes. Pode parecer óbvio, piegas ou filosofia barata, mas, em síntese, se tudo o que vivemos é guardado na memória, a memória é quem guarda o que somos.Ela é a nossa identidade-mor. É onde moram nossas opiniões, crenças e sentimentos.  É onde a gente se encontra secretamente com a gente mesmo, onde nossos pensamentos se organizam, onde tudo que está ao redor passa a fazer sentido.

E se somos a nossa memória, que sejamos algo que valha a pena ser lembrado e que não mereça ser esquecido. Não falo de títulos, méritos, nem reconhecimento. Falo de alma, coração e, claro, intensidade.

Por Renata Stuart

O mundo paralelo dos hospitais…

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 1 Comment

Ainda não chovia, mas o dia era nublado e frio. Voltando do estágio, cerca de 14h, lá estava eu no ônibus, de botas, cachecol, ouvindo minha música no fone de ouvido, pensando em mil coisas ao mesmo tempo, entre elas no trabalho de marketing que eu tinha que terminar, no banho que eu queria tomar quando chegasse em casa e, claro, na fome que eu estava (já que eu ainda não tinha almoçado).

Mas eu não ia almoçar naquele dia. Eu tinha uma hora marcada com a médica e, como ficaria tarde, resolvi que comeria um sanduíche natural ou algum salgado no hospital mesmo. Argh. Hospital. Eu, que odeio sequer a ideia de pisar em um, estava ali a poucos minutos de uma consulta de rotina. Dei sinal, desci do ônibus e, nesse exato momento, a chuva começou a cair. De uma maneira brusca, intensa, tão forte que tive dificuldade em abrir o guarda-chuva, o vento era agressivo também. Era como se o céu compartilhasse do meu sentimento em ter que ir a um hospital. Eu não gostava, aliás, eu detestava.

Sinto uma coisa ruim dentro do peito, uma angústia repentina. Não sei bem o que é, quer dizer, acho que sei. Depois de mais de um ano  indo e vindo do hospital para acompanhar e apoiar a luta do meu irmão caçula para vencer o câncer, eu criei uma resistência natural a hospital. Até natal e reveillon nós passamos no hospital, dois anos seguidos. Não que eu não gostasse de  ficar com ele, eu amava. Cada segundo ao seu lado, dando força, o fazendo rir, dando comida na boquinha dele, cada segundo era maravilhoso. Era confortante ouvir a risada dele e ver a pureza e a esperança naqueles olhos azuis lindos. Doía vê-lo naquela cama, claro, cada vez mais pálido e diferente fisicamente, mas só o fato de estar ali era infinitamente melhor do que estar em casa, sem ele.

Enfim, mas como eu vinha dizendo, eu criei uma repulsa a hospitais, especialmente esse que eu estava prestes a entrar. Esse que se “recusou” a prosseguir na luta pelo meu irmão. “Leve-o para casa, aproveite-o ao máximo, não temos mais o que fazer” – Foi o que nos disseram, de forma seca e crua. Aquela frase ressoava na minha mente sempre que eu passava por ali.  Como assim? Eles estavam pedindo pra gente desistir do nosso anjinho, da nossa razão de viver? Queriam que a gente assistisse à partida dele de braços cruzados? Claro que não! Ouvi certa vez que enquanto há vida, há esperança. E fomos buscar nossa esperança noutro hospital.

A luta durou mais quatro meses mas, de qualquer forma, foi uma luta. Nós não entregamos os pontos sem tentar até o último instante. Não vencemos, mas ele reuniu todas as suas forças até o último suspiro e, para mim, ele já foi um vencedor. Às vezes, fico pensando se não deveríamos ter deixado ele vir para casa e vivido os quatro meses de outra forma…como naquele filme “Antes de Partir” em que a pessoa faz uma lista das coisas que queria fazer. Mas só de imaginar que estaríamos ali, vivendo cada dia como uma despedida – decretada e conformada – me dá pânico.  Seria difícil sorrir sabendo que os sorrisos eram os últimos. E por que deveríamos dar ouvidos àquele médico, àquele hospital? Aquela era só UMA das milhares de opiniões que poderíamos ouvir. Então, penso que cada dia de luta valeu a pena, do contrário, não saberíamos como seria se tivéssemos tentado mais, mais e mais. E a vitória não veio por falta de luta, por falta de esforço, por falta de esperança. Por algum motivo – que talvez um dia eu entenda – a vitória não veio.

E, naquele dia cinza, eu estava a caminho do consultório. Era estranho pensar que, num outro tempo, eu entrei por aquela porta com outros olhos, com outro objetivo e o mais importante: completa. Sim, completa, pois meu irmão ainda estava aqui e eu ainda não sabia como era a dor de perder quem amamos muito. Hoje, quem entrava naquele mesmo lugar, era o que sobrou de mim. E o hospital, o qual eu já conhecia cada corredor e o rosto de cada funcionário, continuava intacto, do mesmo jeito. Parecia que o tempo não passou naquele lugar.

A vida lá fora é diferente, o ar é diferente, a energia é diferente. E não importa o quão refinado é o hospital, não há decoração, conforto ou ar condicionado que preencha o vazio de um hospital.  Tudo ali dentro é tão sufocante e silencioso, mas, ao mesmo tempo, é um silêncio que diz muito, como um instante à espera de uma resposta, de um exame, de um diagnóstico, de um sim ou de um não que mude tudo. E a ausência de cores, ao invés de fornecer a sensação de calmaria, só me passa a sensação de ausência. Ausência de vida, de alegria, de ar livre.

Bancos de espera repletos de pessoas em busca de alguma solução, umas nem tão graves. Eu mesma só estava ali fazendo um check-up, ainda bem. Mas muitos estavam ali na mesma luta que um dia eu e minha família estivemos com meu irmão. Há pessoas nascendo, dando boas-vindas ao mundo, pessoas lutando para sobreviver, pessoas se cuidando para não adoecer, pessoas morrendo, dando adeus ao mundo. Pessoas entregues à própria sorte. Pessoas em busca de esperança, em busca de uma saída que lhe permita um passaporte de volta para o mundo lá fora. Para o mundo onde saúde não é problema, onde todas as preocupações são pequenas e até fúteis. O mundo onde a vida realmente acontece.

É assim que eu me sinto quando vou a um hospital, em um mundo totalmente paralelo, alheio, à parte. É como se, ali, fosse só uma pausa, um intervalo, uma interrupção da verdadeira vida. Um mundo que, quem está do outro lado, em sua zona de conforto e sua rotina diária, nem sequer lembra que existe.

É por isso que, hoje, com esse olhar mais atento ao contraste desses dois mundos, tento dar mais valor aos meus dias aqui, do lado de fora. E agradeço a Deus por ter condições de viver meus dias aqui, sem precisar estar lá, no mundo paralelo. Aqui, o mundo é diferente. Aqui tem cores, calor humano, liberdade e eu não preciso ver o mundo através de uma janela.

Eu posso explorar as ruas, tomar um bom café na lanchonete, pegar um cinema com os amigos, sair para almoçar fora com a família, sentir a chuva me molhar ou, simplesmente, ler um bom livro deitada na minha cama, no meu espaço e, sim, na minha zona de conforto. E é por isso também que cheguei a uma conclusão: Saúde tem que bastar para sermos felizes. Quem a tem, não é feliz porque não quer.

 

Por Renata Stuart

Deixe o sol entrar

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 12 Comments

Levante, já passa das 9h, pare de brigar com o despertador. Abra a janela, balance o tapete e deixe a poeira ir embora. Permita que o sol entre e te ilumine. Deixe que o vento desarrume seu cabelo. Olhe para o espelho e se veja por dentro. Você já esteve melhor, não esteve?

Esqueça – nem que seja só por hoje –  tudo aquilo que te machuca,  que te corrói por dentro, que te faz retroceder, que não te evolui, que não te faz bem. Guarde essas bobagens pra outra hora, numa gaveta com cadeado. Ou melhor, se você for capaz, apague-as de vez.  Desate os nós, cate os cacos de vidro, e levante a cabeça.

Há milhões de pessoas lá fora. Há milhares de possibilidades, de caminhos, de histórias. E você ai, olhando pra trás. Viva a sua vida, não desperdice seu precioso tempo vivendo a vida do outro.  Seja o protagonista da sua própria vida. Não se conforme, tome decisões.

E por que não mudar? A vida não tem script e você não tem um personagem definido. Quem você quer ser hoje?  Mostre suas facetas para o mundo, deixe as ruas sentirem os seus passos, deixe o mundo te descobrir.

Aperte forte aqueles te querem bem.  Podem ser poucos, mas eles existem. Compre um presente para você. Essa sim, você sempre terá. Se atire ao desconhecido e , adivinhe, conheça-te a ti mesmo. Descubra o que te surpreende, o que te enaltece, o que te move.

Olhe para os seus sonhos. Não como quem olha para o além ou avista uma miragem, mas como quem diz “te vejo em breve”.  E vá atrás deles, um degrau por dia, mas vá. Perdoe para ser perdoado. Ame sem esperar ser amado. Faça o bem sem esperar ser reconhecido. E a vida te trará respostas, naturalmente.

Por Renata Stuart

Lembranças que remexem o estômago

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 2 Comments

Ei, você se lembra? Senta aqui e me diga: do que você se lembra mais? São tantas coisas, né, eu sei, fica difícil calcular. Mas será que você se lembra de todas as pessoas que já passaram por sua vida? Aquelas que, ainda que por pouco tempo, deixaram marcas profundas ou aquelas que simplesmente passaram como quem cruza uma esquina?

E daquelas que só apareceram para lhe causar dor, que te prometeram o mundo, que juraram sempre estar ao seu lado e, quando você mais precisou – PUFT – desapareceram num passe de mágica. Eu sei, essas você preferia esquecer…

E as palavras ditas, você se recorda? Aquelas que tinham o poder de colorir seu dia ou até mesmo te desmoronar e, hoje, já não têm valor algum? É, temos que admitir, tudo muda. A interferência do tempo é algo inacreditável. As palavras se esvaem, as pessoas se reinventam, os amores mudam e renascem em novos corações, vão e vêm.

As promessas nem sempre são cumpridas e os planos nem sempre concretizados, porque no meio do caminho, você também muda, e seus sonhos, e suas verdades, seus gostos, suas escolhas.Tem coisas que se vão, que as circunstâncias levam, e que o vento não traz de volta, e ponto. É preciso aceitar, ainda que seja uma tarefa árdua, que tudo um dia se vai. Mas o que é verdadeiro realmente fica, ainda que apenas em nossa mente, nosso coração, nossa alma, mas, de alguma forma, fica.

E, acredite, isto não é um conselho de livro de auto-ajuda, mas têm coisas que mudam para o nosso próprio bem, cedo ou tarde, a gente descobre isso. Às vezes, não estamos perdendo algo, mas sim nos livrando de algo. Certas portas são fechadas para que novas possam ser abertas, certas pessoas se vão, para que novas possam entrar. E a lágrima costuma ser uma maneira de limpar o território para os sorrisos que estão por vir.

Viver é lembrar e, ao mesmo tempo, aprender a esquecer. Não digo esquecer como quem faz uma lavagem cerebral na memória e seleciona o que se quer deletar. Não, não falo disso. Mas falo de superação, de cabeça erguida, do famoso “bola pra frente”.

E essas lembranças, que tanto remexem nosso estômago, não podem ser deletadas, elas sempre vão estar ali, em off, subentendidas, adormecidas. Mas também são elas que nos ensinam a ser mais fortes, mais atentos, mais maduros, mais imperfeitos, mais reais, mais humanos.

As lembranças do ontem estão estampadas no que somos hoje. Elas trazem não só saudade, mas dor, medo, culpa, ausência, perturbação, nostalgia. E servem para nos lembrar – como o nome sugere – de algo que foi verdade um dia.

E é essa noção de verdade que nos faz valorizar o que a vida tem de melhor, tirando de cada sofrimento, de cada tombo, de cada joelho ralado, de cada decepção, de cada lembrança, um aprendizado.

Como dizem mesmo?  Recordar é viver.

Por Renata Stuart

Um mundo de cegos

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 9 Comments

 

Os cegos estão por toda parte. Não falo dos que estão sempre de óculos escuros, guiados por uma bengala e são impedidos de ver a luz do sol, de contemplar o azul do céu, de olhar no fundo dos olhos, e outras maravilhas que só a visão pode captar. Não me refiro a esses, que também são muitos.

Falo dos cegos que possuem total capacidade visual, mas não a usam com sabedoria. O cego que enxerga, mas não vê. Aquele que não vê o outro, não vê nada além de si mesmo. Ou, ao contrário, vê unicamente o outro, e se desagrada para agradar o outro, que se coloca em segunda opção, sempre.

Falo daquele cego que não vê o que pode dar certo, mas só o que pode dar errado. Que vê a oportunidade, mas não arrisca. Que fecha os olhos e não se move quando se depara com a dificuldade, os obstáculos.

O cego que se depara com o necessitado, o faminto, o estigmatizado e baixa os olhos, com medo ou repulsa. Aquele cego que, de tanto ver, já não vê mais nada, em decorrência de uma visão desgastada, calejada, que já não tem sensibilidade para o mundo a sua volta. Que não se impressiona e nem se deixa emocionar facilmente.

Aquele cego que é capaz de captar todas as maravilhas do mundo, mas não as admira, não as valoriza, não as sente. O cego de olho grande, que vive na busca incansável pelo dinheiro e possui a vista desfocada para o valor das pequenas coisas. O cego que vive uma vida na qual não se vê, na qual não se sente vivo.

O cego que vislumbra o futuro e corre feito um louco atrás dele, esquecendo-se que a única certeza é o agora. O cego que só vê a capa, a casca, a superfície e que, antes mesmo de ver a fundo, faz uma série de julgamentos infundados, os chamados pré-conceitos.

A lista é interminável, e eles estão em toda parte. E são eles que sofrem da pior cegueira, uma cegueira que nem cirurgia de córnea resolve. Uma cegueira que não exige bengala, mas que pode gerar muitos tombos no percurso. Uma cegueira que só a vida pode consertar.

E para aqueles que aqui se viram: Abram os olhos, enquanto há tempo.

Por Renata Stuart

Parei pra falar sobre o tempo

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 19 Comments

Ando me assustando muito com o tempo. A semana começa preguiçosa, parecendo que será arrastada e, quando menos espero, a sexta-feira se esbarra em mim. O dia parece que será longo e produtivo, mas nem metades das tarefas são concluídas. O tempo passa, corre, acelera, e nada podemos fazer para evitar isso. Tentamos controlá-lo com nossas medidas, nossos calendários, nossos relógios, mas é inevitável.

O tempo nos fala o tempo todo. Não só através do tic-tac latejante dos relógios, mas através das fotos, do espelho, da maturidade, das responsabilidades que se fazem cada vez mais presentes. O tempo é o cansaço exposto nas olheiras, é o surgir das rugas, é o escurecer e o amanhecer. O tempo é a juventude dizendo adeus, é a experiência pedindo passagem, é o futuro dizendo “cheguei”.

O tempo é movimento. É aquele ardiloso que se vai, mas deixa, lá no fundo, um desejo surreal de ser criança novamente. Uma nostalgia gostosa da simplicidade, da inocência, da esperança inabalável, dos sonhos tolos e da ausência de responsabilidades. O tempo é um vento que passa despercebido, de forma inconsequente, levando nossos dias, nossa juventude, nossas coisas, e ‘nossas pessoas’, (que na verdade não são nossas). Somente os sentimentos fortes, que de tão desesperados, se seguram nas árvores e resistem a ele.

Mas o tempo é o único que nos dá a oportunidade de tentar de novo, de fazer de novo e melhor. É o único que nos dá a chance de recomeçar. É o tempo que faz todas as nossas ilusões caírem por terra, é ele quem pega aquilo que, antes, nos abalava e converte em coisas que, hoje, não nos dizem absolutamente nada.

É o tempo que faz o medo encontrar a coragem no meio do caminho. É o tempo que tem a incrível capacidade de converter mágoa em perdão, é o tempo que nos reinventa, nos incrementa e melhora a nossa visão. Sim, melhora, pois chega um momento em que a gente vê a vida por outro ângulo, com mais nitidez.

A gente se dá conta de que as nossas escolhas, até as mais simples, determinaram o rumo que tomamos. E a gente compreende que a vida é o resultado da bagagem que carregamos dentro de nós. Tudo passa a fazer sentido.

O tempo passa, corre, acelera, e nada podemos fazer para evitar isso, eu já disse isso no início. Mas podemos e devemos eternizá-lo à nossa maneira. Eternizar o tempo, a meu ver, é deixá-lo registrado com a satisfação, o prazer e não com o arrependimento, não com o gosto amargo de uma vida sem intensidade. Eternizar o tempo é viver fazendo o que se gosta, estando com quem se gosta e sendo como quem a gente gosta de ser. Um dia de cada vez.

Por Renata Stuart

É o ‘se’ que me perturba.

Posted on by Renata Stuart in Reflexão | 3 Comments

É o SE que me incomoda, atormenta, perturba. Quando estou mal, é o SE que me faz pensar como seria se ele estivesse aqui para me fazer rir. Quando estou bem, é o SE que me faz fantasiar como seria se ele estivesse aqui, para viver esse momento comigo. É o SE que me persegue, me maltrata, me ilude.

E se. E se tudo tivesse se saído como eu imaginava? E se ele nunca tivesse partido? E se ele tivesse surpreendido a todos os médicos e vencido a doença? Que profissão teria escolhido? Difícil saber, tantas eram as suas habilidades…Biologia, Informática, matemática.  Que homem ele teria se tornado? Sem dúvidas, um grande homem, um verdadeiro gentleman. Mas qual seria a sua versão adulta? Quais seriam as suas escolhas? E se eu pudesse saber disso tudo?

E se. E se eu tivesse aberto meu coração? E se aquele antigo relacionamento tivesse dado certo? E se nossos caminhos tivessem se cruzado novamente? E se eu tivesse convertido meus desejos em ações? Como eu estaria hoje? E se eu tivesse sido aprovada naquele teste? Onde eu estaria agora? E se eu tivesse me esforçado mais? Se eu tivesse sido mais gentil? E se eu tivesse dito não? E se eu tivesse persistido até conseguir? E se eu tivesse feito as malas e ido embora? Quem estaria ao meu lado agora? E se eu tivesse tido coragem de lutar? E se eu tivesse virado à esquerda ao invés da direita?

E se. E se. Sei que o ‘se’, de fato, não existe. Sei que ele é uma mera conjunção condicional que nada nos diz, só nos faz lamentar, devanear, fantasiar o que poderia ter SIDO e não foi.  O SE é uma maneira [em vão] que a gente acha de questionar os rumos que as coisas tomaram. O SE é um desejo incontrolável de mudar o presente, de manipular o tempo e os fatos com as próprias mãos, de enxergar um momento que, na verdade, nunca existirá.

E se. O SE é chato, não nos move, não nos tira do lugar. O SE é triste de qualquer forma, pois sempre pressupõe inconformismo, insatisfação, arrependimento. Mas o pior SE não é aquele que independia de nossa atitude para ter sido fato concreto, esse é culpa do acaso, das circunstâncias da vida, da vontade de Deus.

Enfim. O SE que dói mais é aquele que poderia e não foi, por nossa única e exclusiva culpa. É aquele que pesa sobre nós, que nos cobra, que nos lembra de nossa covardia, nossa imobilidade, nossos erros, nossos maus passos. Mas, assim como todo e qualquer SE, ele de nada serve, a não ser para martelar nossa mente com o imutável. Quer saber, e se eu tentasse parar de questionar tanto a vida e deletasse de vez o SE do meu vocabulário? Talvez, se eu fizesse isso, a vida seria mais fácil.

Por Renata Stuart